Junior, o Animal perigoso

Em abril, em mais um sábado de voluntariado com a SPAG, o meu olhar cruzou-se com o olhar assustado, confuso e revoltado de um cão já com alguma idade. Na placa identificativa em vez de ter lá o seu nome, tinha o aviso “Animal perigoso”. E efetivamente o Júnior era um “animal perigoso”, ladrava a tudo e a todos e tentava morder quem se aproximasse dele. Perguntei pela história dele e como tinha ido ali parar e soubemos que a dona tinha falecido e a restante família não tinha como ficar com ele tendo sido deixado ali para passar o resto dos seus dias numa Box (porque com a atitude que ele tinha não poderia ir para adoção). Aí percebi que ele se sentia perdido num local onde não conhecia ninguém, sem saber da sua dona e rodeado de cães que, tal como ele, eram cães de ninguém. Soube naquele momento que ele precisava de ajuda e o olhar dele foi como um “berro” a pedir que o ajudassem a encontrar-se novamente. Senti um chamamento e percebi que ele precisava de mim para voltar a acreditar.

Comecei a aplicar-lhe Reiki presencial todos os sábados e pedi aos colegas da REDE que o incluíssem nos envios de Reiki à distância. Ele precisava da nossa ajuda. Com o passar do tempo ele foi acalmando e já me reconhecia como uma amiga e já não reagia agressivamente comigo e os olhos dele ganharam novo brilho. Passado cerca de mês e meio foi-nos autorizado que retirássemos a placa de “Animal perigoso” e colocássemos a placa com o seu nome: Júnior. O Júnior começou a permitir que lhe tocasse, fizesse mimos e comia da minha mão, mas continuava a não aceitar que outras pessoas se aproximassem da sua Box. Começou também a permitir que um dos tratadores lhe tocasse e fizesse mimos.

Volvidos 2 meses após o início da aplicação do Reiki foi-me possível retirar o Júnior da Box e vir passear com ele ao exterior. A alegria dele não tinha descrição… os olhos transbordavam de gratidão que era quase palpável. Desde aí todos os sábados o Júnior é retirado da sua Box para um passeio onde corre, cheira tudo e pode por momentos “esquecer” o seu passado e voltar a ser um cão feliz. O Júnior já sorri, os seus olhos já voltaram a brilhar e sempre que me vê aos sábados a sua cauda abana de alegria pois sabe que é dia de passeio com a sua nova amiga.

Fora da Box o Júnior é um cão diferente permitindo até que outras pessoas se aproximem e façam mimos. Gosta muito de biscoitos e de ser escovado. Continua a receber Reiki presencial aos sábados e começa a ser “socializado” com outros humanos para que um dia possa ter uma nova família que ele possa chamar de sua, e poder assim ter o amor que merece. Acredito que o Júnior está mais feliz, e eu sou, com toda a certeza, mais feliz também pelo novo amigo de 4 patas que ganhei na minha vida.

Gratidão

Helena Sofia Voluntária que colabora com a SPAG (Sociedade Protetora dos Animais de Guimarães https://www.facebook.com/spaguimaraes)